A importância da gestão de estoques na Construção Civil

Publicado em 26 de dezembro de 2019 por Valéria França
Gestão de estoque na construção civil

Uma boa gestão de estoques  deve ser  uma questão tratada com prioridade  por todo empreendedor. Uma administração inadequada e incorreta de estoque na construção civil, irá refletir negativamente na produtividade e no seu resultado financeiro. Ou seja, uma obra pode diminuir seu ritmo, perder tempo na busca de suprimentos que deveriam estar disponíveis no canteiro  de obra.

O gerenciamento de materiais de construção pode ser definido como “a função responsável pela coordenação do planejamento, fornecimento, compra, movimentação, armazenamento e controle de materiais da melhor forma, para que um serviço pré-decidido possa ser fornecido a um custo mínimo”.

O desafio então é, garantir que não falte nada em tempo hábil, que não haja desperdício, perdas e principalmente excesso dos insumos. Fique atento em quantidades além da necessidade parada nos depósitos, pois, isso significa um capital imobilizado que poderia ser empregado em outras áreas.

Outro fator é a situação do armazenamento inapropriado, materiais mal-acondicionados e mal protegidos que se deterioram de vez como, por exemplo, a madeira,  o cimento e o cal.

Controle de estoque: uma atividade ampla

O controle de estoque abrange aspectos como definição de níveis de estoque, curva ABC, fixação de quantidades econômicas de pedidos, definição de níveis de estoque de segurança, análise de lead time e relatórios.

Dessa forma, é uma atividade muito ampla e detalhista, exige previsão, planejamento, organização, disciplina e uma boa estrutura de logística. De acordo com o SEBRAE, “o estoque é uma das áreas mais críticas, pode significar a diferença entre lucro e o prejuízo de uma empresa”. 
Como os materiais representam grande parte do custo total, eles oferecem um escopo muito bom para redução do custo total. Uma pequena porcentagem no custo de materiais pode resultar em um grande percentual de aumento na lucratividade.

Vantagens na gestão de estoques na construção civil

A gestão de estoques eficiente inclui grandes vantagens como:

  • Impedir desperdícios, perdas, extravios e roubos.
  • Observar as principais necessidades de reposição, os materiais de maior fluxo.
  • Identificar materiais de menor uso e os que estão parados.
  • Identificar o momento exato de que, quando e quanto comprar.
  • Com estimativas corretas e precisas em mãos, negociar as melhores condições com os fornecedores.

Classificação dos produtos para uma boa gestão

Como são diversos os produtos envolvidos em uma construção, é importante classificar o estoque para ter um bom gerenciamento. Com a classificação você pode distinguir o grau de importância de cada um.

A análise da curva ABC faz uma seleção dos seus produtos apresentando qual deles oferece maior retorno para sua empresa.

Com a utilização da curva ABC na análise de estoque, os materiais podem ser ordenados em três grupos distintos, são eles:

  1. Grupo A: representam de 5% a 10% dos materiais, porém significam 70% ou mais do investimento, por isso precisam receber bastante atenção. São os casos das pedras, cerâmicas e argamassa, entre outros.
  2. Grupo B: sãos os itens de importância intermediária entre os grupos A e C, que representam 20% do total em volume e cerca de 15% a 20% do total do investido. Que são os tijolos, as tintas e as telhas.
  3. Grupo C: são os itens considerados menos importantes, que representam cerca de 60% dos itens e apenas 5% a 20% do total investido. Neste caso podemos citar os pregos, parafusos e materiais de escritório.

Demais classificações podem ser criadas pelas empresas para agregar a estas, com critérios alternativos.

Os números acima variam de negócio para negócio, então não é uma regra fixa. Dependendo da situação, mesmo sendo um material de pouco valor, pode merecer atenção e até estoques maiores para prevenir situações críticas.

Cuidados no armazenamento

Você já deve ter observado em muitos canteiros de obras alguns materiais espalhados e jogados aleatoriamente, expostos ao tempo, como, por exemplo, areias, madeiras e ferramentas (fazendo com que essas não sejam encontradas quando necessário). Essa desorganização pode  aumentar também o risco de acidentes.

Diante disso, uma boa gestão de estoques na construção civil é manter o material organizado com todos os cuidados no armazenamento, garantindo a produtividade, fazendo com  que os funcionários produzam melhor, e como consequência temos uma obra entregue no prazo e com menor risco.

Quando comprar um produto já  tenha em mente a forma que será armazenado e quando será utilizado na obra.

A desorganização pode aumentar também o risco de acidentes.

Seja exigente e siga as indicações da Norma Regulamentadora Nº18, item 24, que trata da armazenagem e estocagem de materiais, ela aponta o procedimento de cada produto:

18.24.1 – Materias em geral

Os materiais devem ser armazenados e estocados de forma a não prejudicar o trânsito de pessoas, a circulação de materiais, o acesso aos equipamentos de combate a incêndio, evitar os obstáculos em portas ou saídas de emergência e evitar sobrecargas nas paredes, lajes ou estruturas de sustentação, além do previsto em seu dimensionamento.

18.24.2 – Pilhas de materiais a granel ou embalados

Assim, as pilhas de materiais, devem ter forma e altura para garantir estabilidade e facilitar o seu manuseio.

18.24.2.1 – Pisos elevados

Em pisos elevados, os materiais não podem ser empilhados a uma distância de suas bordas menor que a equivalente à altura da pilha. Exceção feita quando da existência de elementos protetores dimensionados para tal fim.

18.24.3 – Materiais de grande comprimento

Tubos, vergalhões pranchas e outros materiais de grande comprimento  ou dimensão, por exemplo, devem ser arrumados em camadas, com espaçadores e peças de retenção, separados de acordo com o tipo de material e a bitola das peças.

18.24.4  – Retirada conforme o uso

O armazenamento deve ser feito de modo a permitir que os materiais sejam retirados obedecendo à sequência de utilização planejada, de forma que, não prejudique a estabilidade das pilhas.

18.24.5  – Empilhamento dos materiais

Os materiais não podem ser empilhados diretamente sobre piso instável, úmido ou desnivelado.

18.24.6 – Armazenamento de Cal virgem

Deve ser armazenada em local bem seco e  arejado.

18.24.7 – Materiais perigosos

Os materiais tóxicos, corrosivos, inflamáveis ou explosivos devem ser armazenados em locais isolados, apropriados, sinalizados e de acesso permitido somente a pessoas devidamente autorizadas. Dessa forma, estas devem ter conhecimento prévio do procedimento a ser adotado em caso de eventual acidente.

18.24.8 – Madeiras de tapumes e andaimes

As madeiras retiradas de andaimes, tapumes, formas e escoramentos devem ser empilhadas, depois de retirados ou rebatidos os pregos, arames e fitas de amarração.

18.24.9 – Armazenamento de produtos inflamáveis

Os recipientes de gases para solda devem ser transportados e armazenados adequadamente, obedecendo-se às prescrições quanto ao transporte e armazenamento de produtos inflamáveis.

De acordo com SEBRAE, na área de estoque, a disposição  deve garantir o acondicionamento correto de cada tipo de produto, favorecer o fluxo das mercadorias e, ao mesmo tempo, reduzir o transporte e a movimentação dos insumos permitindo assim um fluxo contínuo que facilite as condições de trabalho.

Dicas para gerenciar o seu estoque:

Uma boa gestão de estoques inclui boas práticas como:

  • O uso de tecnologia para gestão do estoque é essencial, como um bom Sistema de  ERP para tal, pois garante eficiência, assertividade, gerência automática das compras e estocagem. Bem como, distribuição de materiais, controle de contratação e prestação de serviços.
  • Registrar toda a movimentação de entradas e saídas de insumos, com cadastro individual com data de aquisição e saída para o canteiro, bem como detalhes do insumo, como código e descrição.
  • Primordialmente, o estoque deve priorizar os insumos ou materiais de giro rápido, aqueles de uso contínuo na obra. Como, cimento, argamassa, blocos de concreto, tubos, conexões, fiação elétrica, tubos, tijolos e azulejos.
  • Conferir sobretudo, os registros periodicamente. Todos os dias escolher itens e averiguar a disponibilidade, seja no almoxarifado da obra, depósito ou ambiente de produção.
  • Organizar o local de armazenamento, a fim de encontrar o produto com facilidade quando necessitar, mantendo assim a produtividade. Portanto, acondicione os materiais agrupados por tipos, cada tipo com sua própria sessão.
  • Não descuidar da segurança, adote medidas a restringir o acesso ao estoque. Apenas equipe responsável deve ter acesso ao local de armazenamento. Monitoramento com câmeras também é ideal para registrar movimentações suspeitas.
  • Envolver sobretudo, todos os setores, essa integração permite que a engenharia tenha informações seguras da disponibilidade  dos insumos necessários para cada obra e do seu consumo. 

Equilíbrio entre estoque e consumo

Acredita-se que 50% dos custos de uma obra são os materiais que a representam, e que uma boa gestão de estoque significa um excelente controle de perdas e aumento das margens de lucratividade.

Manter o equilíbrio entre estoque e consumo é um desafio para muitas empresas, principalmente aquelas que negligenciam e insistem em manter práticas ineficientes. É preciso acordar para melhores práticas conhecidas no mercado.

Práticas como, por exemplo, planejamentos estratégicos, gestão de processos, investimento em tecnologia, ou seja, um Software de gestão que integre todas as áreas de sua empresa, e que automatize e facilite seu trabalho, entre outros. Com tudo isso, é fato que você terá um resultado rápido e certeiro.

Fontes: Sienge |theconstructor.org | Sebrae

Se inscreva para receber nossos melhores conteúdos toda semana