Saiba como foi o evento 18º Congresso Sinduscon MG – Minascon 2019

Publicado em 24 de setembro de 2019 por Valéria França

O evento tradicional da Indústria da Construção Civil Mineira foi promovido pela entidade mais importante do setor da construção, na Sede do SEBRAE/MG no mês Setembro de 2019. É voltado para  profissionais da área, construtor, Incorporador, engenheiro, e afins.

O 18º Congresso Sinduscon-MG  de Materiais, Tecnologia e Sustentabilidade na Construção, esteve dentro da grade técnica do Minascon 2019.

Nós da 2G Soluções em TI como um dos patrocinadores, comparemos e fizemos um breve registro para lhe inspirar para os próximos que virão. 

As palestras abordaram temas de grande interesse das empresas do setor e da cadeia de fornecedores. Portanto, ressaltaremos aqui  algumas abordagens significativas e de relevância que ocorreram no decorrer das apresentações.  Daremos uma breve pincelada, pois, o conteúdo foi riquíssimo e não se encaixa em uma narração rápida e informativa como neste nosso post aqui.

Cuidar do empreendimento de seu nascedouro até o pós-venda é mais que cumprir regras. É gerar valor agregado à marca e confiança aos consumidores.

Pela manhã o Tema do painel foi, Entrega do Empreendimento e Gestão do Relacionamento com o Cliente.

Marina Azevedo da Studio Arquitetas, abordou na Palestra “Boas Práticas na elaboração do Manual do Proprietário em conformidade às normas técnicas”, a importância de inserir no Manual do Proprietário as Boas Práticas com relação ao meio ambiente e sustentabilidade, bem como,  o uso racional da água, não lavar garagens, passeios e  calçadas, com mangueiras. Uso racional de energia, como consumo de tempo durante o banho, uso de lâmpadas de LED. As recomendações de segurança foram  outro ponto abordado, por exemplo, o que é preciso para fazer uma limpeza de fachada?  Foi previsto ancoragem para equipamentos, uso de EPI? Procedimentos em caso de incêndio, não usar elevador e sim as escadas.  Enfim, informações no manual que irão  agregar de forma prática  e caráter informativo ao proprietário.

A  norma diz que os materiais podem ser entregues impressos ou por meio eletrônico, desde que, o proprietário consiga imprimir esse material.  A construtora deve emitir um termo de recebimento para que o proprietário assine e este fique arquivado.

Entrega por QR Code, com  a intenção da construtora em diminuir os custos.

Atualmente segundo Marina, a entrega é feita por QR Code, com  a intenção construtor/Incorporadora em diminuir os custos. Adesivos com o QR Code, podem ser colocados na tampa do QDC, no qual o proprietário acessa facilmente as informações que ele precisará, como por exemplo, cuidados nas instalações, onde furar para não ter problemas em danificar tubulações, etc… Sobretudo, junto com manual a norma diz que têm que ser entregues todos os projetos, documentos, manuais, memoriais descritivos, que foram entregues pelos fornecedores, notas fiscais, alvarás, certificados, entre outros. Então, estes arquivados pelo proprietário e repassados àqueles que o substituírem.  A atualização é obrigatória em caso de reforma ou manutenção.

Portanto, o manual não serve apenas como respaldo jurídico para as construtoras/construtor,  como também, garantir que o proprietário normalmente leigo, tenha acesso as informações  corretas para que ele possa usufruir de maneira correta do seu imóvel, dessa forma, garantindo sua vida útil.

A entrega e a importância dos Papéis

Juliana Nardy com a Palestra “Relacionamento e assistência técnica pós-entrega – Edificações”, abordou a importância da formalização das  vistorias realizadas, entregar a convenção, regimento, ata de instalação, cópias das contas, transferir oficialmente as contas ao cliente.

Após a entrega do empreendimento este toma vida, assim, Juliana salientou a importância dos Papéis. Construtora/Incorporadora,  que basicamente fica com a assistência técnica, gestão do estoque, a Administradora tem um papel fundamental porque vai orientar o síndico, os moradores no requisito de manutenção, seguro, orçamentos, inclusive os preventivos de manutenção e os balancetes contábeis, uma boa parceira de administração segundo Juliana, normalmente ela faz esse papel conjuntamente com a construtora.  E o Cliente/Proprietário, com uso das garantias e suas responsabilidades para preservar o seu bem da melhor forma possível. Portanto, são 3 papeis distintos, mas que por vezes se confundem.

Melhores resultados com as melhores práticas.

Segundo Juliana as Boas práticas de relacionamento e para entrega do Empreendimento,  nos aproxima da nova era,  “A Era da Valorização da Experiência do Cliente”. Em outras palavras, continuar a servir, estar próximo, interagir, atender e acompanhar o cliente na sua jornada com seu produto e marca, faz com que sua construtora/incorporadora alcance o diferencial da nova Era.

Agnes Ferraz Akagui, assessora Jurídica Sinduscon-MG, com  a palestra Responsabilidade e direcionamento do construtor e usuários de edificações, salientou o quanto é essencial a consciência de seguir as normas de desempenho, igualmente, e por consequência ter a questão do manual. Segundo Agnes, minimizar o risco final tem por consequência menor desembolso para obra como um todo, que irá interferir indiretamente no lucro. Portanto, tudo isso se encontra nos artigos tanto do código civil, quanto no código de defesa do consumidor. 

Agnes abordou tipos de responsabilidades, como a subjetividade e a objetiva:

  • Responsabilidade Subjetiva – Agir com culpa, ou tem a imprudência, imperícia, ou negligência.
  • Responsabilidade Objetiva – Considerada a pior, pois para o juiz agindo com culpa ou sem culpa, havendo o fato tem que indenizar. E normalmente nos casos construtivos o que se leva em consideração é a responsabilidade objetiva, porque entende-se que o adquirente (Proprietário do bem) é a parte  mais fraca da relação jurídica.

Também ressaltou a responsabilidade tanto subsidiária, quanto a solidária:

  • Subsidiária – Exemplo em que o construtor está com  um projetista, o dois em relação passiva, se o construtor não conseguir arcar com todo o prejuízo, o projetista também vai arcar.
  • Solidária – Se estão todos juntos, construtor, incorporador, projetista, engenheiro, o adquirente poderá escolher quem será responsabilizado.

Direito: socorro com respaldos de evidências

Em resumo, conclui-se que é essencial registrar e guardar evidências como, tomar o dever do registro da obra desde seu início, arquivar toda documentação,  não só pela questão construtiva, como questões tributárias, trabalhistas, etc… Manual em português claro, muito bem elaborado e que não omita nada, isso é cuidado e delicadeza com o cliente. Dessa forma, o direito poderá  socorrer futuramente com respaldos de evidências, com dados e fatos.

Debate sobre as palestras, abordou duvidas e curiosidades do construtor, incorporador e afins.
Para encerrar a manhã, debate entre os palestrantes e convidados

Quando tomamos uma ação sustentável, mais de uma parte ganha e mais de uma parte interessada é contemplada

Pela tarde o Tema do painel foi, Sustentabilidade e Gerenciamento de Resíduos.

Wesley de Andrade Galvão, do Pontal Engenharia de Goiânia com o tema “Uso, conservação e aproveitamento de água em edificações”, conforme as Normas técnicas da ABNT, abordou o propósito da empresa em estabelecer modelos de gestão integrada, um olhar mais holístico para a gestão ambiental e gestão de resíduos. Além disso, como ter qualidade nas obras sem estender essa qualidade para as pessoas,  para a segurança e  para o meio ambiente? Sendo assim, não podemos construir um prédio e destruir um rio. Portanto, achar o ponto de equilíbrio entre os interesses e as necessidades das diversas partes interessadas é essencial.

Wesley  apresentou cases e dicas interessantes da empresa em reduzir custos, usar o mínimo necessário, mostrou como reaproveitar é uma maneira de transformar para suprir uma necessidade, por exemplo, banca, escada, água, etc.. Reciclar, coisas que às vezes não está no processo, e sim, em outro parceiro. Repensar todo o processo, principalmente focado no tripé da sustentabilidade, um pilar a ser considerado pelo construtor.  “Quando tomamos uma ação sustentável, mais de uma parte ganha e mais de uma parte interessada é contemplada”.  Em síntese, Wesley citou que,  quando eles começaram com o processo de produção mais limpa, iniciaram com coleta seletiva, segregando e entendendo a natureza daquele resíduo para ver onde ele se encaixava para um reaproveitamento.

Reuso da água com responsabilidade  e não como um sistema de marketing.

Em seguida, Virgínia Sodré  diretora técnica da Infinity Tech Engenharia e Meio Ambiente, salientou  a eficiência do reuso da água com responsabilidade  e não como um sistema de marketing.  Em síntese, pensar na água de forma diferente e criar soluções inovadoras. Segundo Virgínia, a  norma de conservação tem o foco na questão mais ampla da edificação e faz um estudo de viabilidade técnica e econômica, dessa maneira obtendo custo/benefício de maneira inteligente e eficaz.

Posteriormente, Luis Capanema  gestor executivo MRV, com o tema “Soluções Sustentáveis – Uso de energia solar fotovoltaica em edificações”. Apresentou as iniciativas e investimentos  da MRV em energia gerada em painéis solares fotovoltaica em grande escala nos empreendimentos MRV, que convertem energia solar em energia elétrica usada nas áreas comuns do condomínio, e assim, o excedente é transmitido para rede de distribuição da concessionária de energia local, dessa forma, proporcionando uma economia que pode cobrir até 80% da conta do condomínio .

Em resumo, o evento traduziu a preocupação e interesse da  Indústria do setor da construção em Sustentabilidade, Inovação e Tecnologia. Pilares para um desenvolvimento consciente, eficaz, e entrega de valor ao cliente. Portanto, essa é a evolução e tendência do setor, principalmente crescer cada vez mais de forma harmônica, minimizando os impactos ambientais e oferecer qualidade, bem-estar e melhor experiência ao cliente.

Se inscreva para receber nossos melhores conteúdos toda semana!